Reflexões

Empreendedorismo Guianas e Suriname| América do Sul

Por em 17 junho, 2019

Vamos apresentar nesse texto um pouco sobre o empreendedorismo nos países da Guiana, Guiana Francesa e Suriname, últimas análises feitas por nós do Mundo Banfer sobre o empreendedorismo no continente da América do Sul.

Guiana

A República Cooperativa da Guiana, antiga colônia britânica é um país de aproximadamente 800 mil habitantes, de língua Inglesa predominante e com uma economia focada na mineração, a exploração madeireira, a agricultura, a criação de gado e, em menor escala, a pesca.

O item agrícola de maior importância é a cana-de-açúcar, seguida de arroz, mandioca e frutas.

Como um todo a Guiana é uma nação extremamente desigual e pobre, com um PIB de 3,5 Bilhões está situada como um dos países mais pobres do ocidente.

Oportunidade de empreendedorismo Local

O principal meio de empreendedorismo a ser explorado é aquele que consegue desenvolver produtos e serviços para demandas necessárias da população.

Investir em produtos com o foco na economia base é uma boa forma de criar negócios locais. Buscar empreender em setores como o de serviços é algo possível, desde que se foque em um pequeno nicho de pessoas que tem poder aquisitivo capaz de absorver a oferta dos novos empreendedores.

Sendo assim, esse país tão desigual e explorado por séculos apresenta diversos desafios para os empreendedores locais e estrangeiros. O empreendedorismo é uma das formas que pode alterar o cenário da Guiana, com políticas públicas bem alinhadas com o objetivo da nação.

Guiana Francesa

A Guiana Francesa é uma região da França, na América do Sul. O país é o único território continental nas Américas que ainda está sob a soberania de um país europeu.

Com uma população de língua predominante francesa e de 281.612 habitantes concentrada na capital o país tem uma pequena densidade demográfica.

A economia da Guiana Francesa é baseada principalmente na pesca e na extração mineral. O país sofre com a imigração ilegal de diversos países do continente, devido a possibilidade de obter renda em Euros.

O Centro Espacial de Kourou, desenvolvido pela Agência Espacial Europeia, contribuiu decisivamente para o desenvolvimento econômico da Guiana Francesa, não só por gerar muitos empregos, mas também por introduzir tecnologia de ponta e informática à região.

Força do Empreendedorismo

As principais áreas de atuação do empreendedorismo no país se concentram em oportunidades ligadas a pesca, mineração e as tecnologias inerentes a tecnologia espacial.

Empresas e empreendedores que prestam serviços para a agência espacial apresentam boas ofertas no mercado local.

Startups francesas estão com foco na Guiana Francesa.  Empresas buscam os empreendimentos que devem priorizar oportunidades de crescimento, assim ajudando a desenvolver mais o país.

O objetivo do governo da França, considerado o terceiro país em número de companhias inovadoras no mundo, é atrair mais negócios e conhecimento para empreendedores na Guiana Francesa. Um programa batizado de French Tech também abre portas para que empresários recebam, por um ano, sessões de mentoria na Europa.

Sendo assim, fica claro que a Guiana Francesa é uma opção interessante para muitos que buscam empreender na América do Sul e ter alguma troca de informações e ligação com a Europa. Além disso, é interessante a leitura sobre os incentivos e acordos de Brasil e Guiana Francesa. http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ufs/ap/artigos/incentivos-fiscais-para-a-guiana-francesa,6a620409d95cf510VgnVCM1000004c00210aRCRD

Suriname

Suriname é um país do norte da América do Sul de língua predominante neerlandesa. Com pouco menos de 165.000 quilômetros quadrados, é o menor país da América do Sul. O Suriname tem uma população de aproximadamente 600.000 habitantes. O país é considerado uma nação medianamente desenvolvida, com índice de desenvolvimento humano (IDH) de 0,725, considerado elevado.

A economia do Suriname é movimentada principalmente pela produção de ouro, bauxita e pela exportação de alumínio. A importação de produtos de consumo torna o país dependente do capital externo.

O governo tem papel importante ao controlar a economia, e emprega aproximadamente 65% da população, tanto na administração quanto nas empresas estatais. Além disso, a educação e infraestrutura são muito boas se comparado a outros países do continente.

Empreendendo no Suriname

Mesmo sendo um país com bom desenvolvimento e infraestrutura o empreendedorismo tem um ambiente menos estimulante para sua exploração. Nessa lista o Suriname se encontra como um dos menos estimulantes para o empreendedorismo. (https://revistapegn.globo.com/Dia-a-dia/noticia/2015/06/os-15-paises-mais-empreendedores-brasil-aparece-na-lista.html)

Com o governo sendo destaque e dominante o empreendedorismo perde um pouco de espaço em detrimento de uma maior qualidade de desenvolvimento da organização do país.

Sendo assim, o Suriname ainda não é um país que favorece o surgimento de empreendedores.


Curtam e descubram o Mundo Banfer! Viva o empreededorismo!

TAGS
Posts Relacionados

DEIXE UM COMENTÁRIO

Mundo Banfer
Brasil

Olá pessoal, esse é o Mundo Banfer, um projeto sobre empreendedorismo criativo. O que nos move é a vontade de transformar a vida das pessoas de forma inovadora. Por isso, nós da Banfer ajudamos empreendedores, empresas e contamos as histórias de negócios pelo mundo. Conheçam o nosso mundo empreendedor!

Acompanhem o Mundo Banfer
Tradução